ENSINO DE ARTE ANTIRRACISTA: O QUE SE FALA NA PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA EM ARTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19179/rdf.v50i50.1099

Palavras-chave:

Educação Antirracista; Ensino de Arte Antirracista; Ensino de Arte; Revisão Bibliográfica Sistemática.

Resumo

Este artigo mapeia e analisa a discussão sobre o ensino de Arte antirracista na produção acadêmica da pós-graduação brasileira em Artes. Por meio de uma revisão bibliográfica sistemática, explorou a Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), do Instituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia (IBICT), no recorte temporal de 2010 a 2021. A análise de conteúdo de cinco dissertações e uma tese de doutorado aponta para um ensino de Arte ainda alimentado pela perspectiva do multiculturalismo em abordagens pró-diversidade. Sinaliza que uma perspectiva antirracista no componente curricular Arte demanda uma docência próxima da produção e do fazer de artistas que abordam a temática do racismo na arte contemporânea.

Biografia do Autor

Natália de Araújo Costa, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Natália de Araújo Costa, artista, docente e pesquisadora vinculada ao Programa Associado de Pós-graduação em Artes Visuais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Bacharel em Artes Visuais pela UFPB. Atualmente integra o Grupo de Pesquisa em Ensino das Artes Visuais (GPEAV) da UFPB desenvolvendo pesquisa sobre práticas para um ensino de Arte antirracista e estéticas decoloniais.

Maria Emilia Sardelich, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutora em Educação, pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora adjunta da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Centro de Educação (CE), Departamento de Metodologia da Educação (DME). Pesquisadora permanente do Programa Associado de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFPB e Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Linha de pesquisa: Processos Educacionais em Artes Visuais. Atua na área de Didática e Ensino de Arte, cursos de Licenciatura, modalidades presencial e a distância. Sua atividade como docente e pesquisadora problematiza a performatividade dos atos visuais como atuações reiteradas que promovem, legitimam e sancionam normas relacionadas com o gênero, raça, classe social e diferença cultural.

 

Referências

ALMEIDA, S. L. de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro/Pólen, 2019.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. A revisão bibliográfica em teses e dissertações: meus tipos inesquecíveis. in: BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. (org.). A bússola do escrever. São Paulo: Cortez, 2002. p. 25-44.

BARBOSA, A. M. Tópicos utópicos. Belo Horizonte: Editora C/Arte, 1998.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1979.

BEVILACQUA, J.R. S.; SILVA, R. de A. da. África em artes. São Paulo: Museu Afro Brasil, 2015.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BITTENCOURT, R. Feminismo, arte e a representação da mulher negra. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 7, n.13, p. 237-251, 2018. DOI: https://doi.org/10.26512/museologia.v7i13.17788

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n° 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

CANDAU, V.M. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: CANDAU, V. M.; MOREIRA, A. F. (orgs.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 13-37. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000300017

CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Artes: documento de área. Brasília: Diretoria de Avaliação (DAV), jan. 2019.

CARNEIRO, S. Enegrecer o feminismo: A situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Geledés, 06 mar. 2003.

CAVALLEIRO, E. (org.). Racismo e anti-racismo na educação. São Paulo: Summus, Publicado em: 2001.

____. Introdução. in: BRASIL. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: MEC/SECADI, 2005. p. 11-20.

CHAUÍ, Marilena. Representação política e enfrentamento ao racismo. In III CONFERÊNCIA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. Brasília: Conapir. 2013. p. 1-7.

CRENSHAW, K. W. Interseccionalidade na discriminação de raça e gênero. In: Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem, 2004.

DIAS, B. O I/Mundo da Educação em Cultura Visual. Brasília: Editora da UnB, 2011.

DOSSIN, F. R. Entre evidências visuais e novas histórias: sobre descolonização estética na arte contemporânea. 2016. Tese. Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2016.

FANON, F. Os condenados da Terra. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2005.

____. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERNANDES, S. de M. Formação continuada de professores/as a partir da Lei Nº 10.639/2003: as relações étnico-raciais e o ensino de Artes Visuais. 2018. Dissertação (Mestrado em Arte), Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

FERREIRA, A. de J. Educação antirracista e práticas em sala de aula: uma questão de formação de professores. Revista de Educação Pública, v. 1, p. 275-288, 2012.

FUNARI, R. M. L. Valorização da cultura negro-africana no ensino de arte: Análise de currículo das faculdades de arte no Brasil em busca das raízes culturais africanas. v.1 e 2 São Paulo: ECA-USP, 2001.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem fronteiras, v. 12, n. 1, p. 98-109, jan. - abr. 2012.

____. O movimento negro no Brasil: ausências, emergências e a produção dos saberes. Política & Sociedade. v.10, nº18, abr. 2011. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2011v10n18p133

____. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: Uma breve discussão. in: Educação anti-racista: caminhos abertos pela lei Federal nº10.639/03. Brasília: MEC/SECADI, 2005. p. 39 - 62.

GONZALEZ, L. De Palmares às escolas de samba, estamos aí. Mulherio, São Paulo, a. II, n. 5, jan. - fev. p. 3, 1982.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Editora da PUC RIO/ Apicuri, 2016.

____. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

____. A identidade cultural na pós-modernidade.10 ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2005.

HERNÁNDEZ, F. A cultura visual como um convite à deslocalização do olhar e ao reposicionamento do sujeito. In: MARTINS, R.; TOURINHO, I. (orgs.). Educação da cultura visual: conceitos e contextos. Santa Maria: Editora da UFSM, 2011. p. 51-68.

____. Catadores da cultura visual: uma proposta para uma nova narrativa educacional. Porto alegre: Mediação, 2007.

hooks, bell. Alisando nossos cabelos. Revista Gazeta de Cuba, jan.- fev. 2005. hooks, bell. Escolarizando homens negros. Estudos Feministas, v.23, n. 3, pp. 677-689, set. - dez., 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-026X2015v23n3p677

MARTINS, R.; TOURINHO, I. Circunstâncias e ingerências da cultura visual. In: TOURINHO, I.; MARTINS, R. (orgs.). Educação da cultura visual: conceito e contextos. Santa Maria: Ed. Da UFSM, 2011. p, 51-68. DOI: https://doi.org/10.32379/9786557160206

MATTOS, I. G. de. Estética afro-diaspórica e o empoderamento crespo. Pontos de interrogação, v. 5, n.2, jul. - dez., 2015. DOI: https://doi.org/10.30620/p.i..v5i2.2164

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. Portugal: Antígona, 2014.

MORAES, A. F.de; OLIVEIRA, T.M. de. Experiências relacionadas ao levantamento de teses e dissertações. Informação & Sociedade: v. 20, n.1, p. 73-81, jan. - abr. 2010.

MORAIS, J. F. S.; ASSUMPÇÃO, R. P. S. Olhares para a produção bibliográfica sobre educação física escolar: algumas reflexões a partir de um levantamento bibliográfico. Acta Scientiarum, v. 34, n. 1, p. 121-128, 2012. DOI: https://doi.org/10.4025/actascieduc.v34i1.15280

MUNANGA, K. (org.). Superando o Racismo na Escola. Brasília: MEC/SEF, 2001.

____. Negritude: uso e sentidos. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

NOGUEIRA, O. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, v. 19, n. 1, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-20702007000100015

NORONHA, D. P.; FERREIRA, S. M. S. P. Revisões de literatura. in: CAMPELLO, B. S.V. C.; CENDÓN, B. V.; KREMER, J. M. (org.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

NOVAIS, K. B. Educação étnico-racial no ensino de artes visuais. 2019. Dissertação (Mestrado em Arte e Cultura Visual). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.

PAULINO, J. C. Corpo marcado: sentidos e afetos das visualidades escolares do Dia Nacional de Zumbi dos Palmares e da Consciência Negra. 2018. Dissertação (Mestrado em Arte). Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

POMPEI, L. de M. Descritores ou palavras-chave nas bases de dados de artigos científicos. Femina, v. 38, n. 5, p. 231-232, 2010.

QUIJANO, A. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais- Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RIBEIRO, D. Quem tem medo do feminismo negro? Belo Horizonte: Editora Letramento, 2017.

____. Feminismo Negro para um novo marco civilizatório. Revista SUR, v.13, n.24, p. 99 – 104, 2016.

RICHTER, I. M. Interculturalidade e estética do cotidiano no ensino de artes visuais. Campinas: Mercado das Letras, 2003.

ROMÃO, J. (org.). História da Educação do Negro e outras histórias. Brasília: MEC, 2005.

SANTANA, J. A Lei 10.639/03 e o ensino de Artes nas séries iniciais: políticas afirmativas e folclorização racista. 2010. Tese. Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

SANTOS, E. V. S. dos. Visualidades antirracistas de mulheres negras no Cariri Cearense. 2019. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais). Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2019.

SANTOS, J. O. G. dos. Lei 10.639/2003: revendo paradigmas na arte/educação. 2017. Dissertação (Mestrado em Artes). Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. São Paulo, 2017.

SANTOS, J. C. dos. “...se eu fosse uma flor...”: o cinema como dispositivo tecnopoético produzindo simbólicos identitários de uma mulher negra. 2014. Tese (Doutorado em Arte e Cultura Visual). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.

SANTOS, R. A. F. dos. Culturas africanas e afro-brasileiras em sala de aula: Saberes para professores e fazeres para alunos. Belo Horizonte: Ed. Fino Traço, 2012.

SILVA, M. C. da R. F. da. A formação de professores de arte: uma proposta inclusiva. Instituto arte na Escola, 2012.

TROVÃO, F. F.L. A arte visual africana e afro-brasileira na educação básica: apropriações e significados no ensino de arte. 2019. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2019.

VOSGERAU, D.; ROMANOWSKI, J. Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista Diálogo Educacional, v. 14, n. 41, p. 165-189, jul. 2014. DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.041.DS08

WALKER, Alice. Cabelo oprimido: um teto para as ideias. Geledés, 12 jul. 2011.

Downloads

Publicado

29.08.2022

Como Citar

Costa, N. de A. ., & Sardelich, M. E. (2022). ENSINO DE ARTE ANTIRRACISTA: O QUE SE FALA NA PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA EM ARTES. Revista Da FUNDARTE, 50(50). https://doi.org/10.19179/rdf.v50i50.1099

Artigos Semelhantes

<< < 37 38 39 40 41 42 43 44 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.