APRENDIZAGENS AO FAZER MÚSICA EM CONJUNTO

Autores

  • Fernanda Anders Zamin FUNDARTE e UERGS

DOI:

https://doi.org/10.19179/rdf.v49i49.1115

Palavras-chave:

Pesquisa (auto)biográfica, flautas doce, educação musical

Resumo

Este artigo é um recorte da pesquisa intitulada “Fazendo Música Juntos: narrativas de integrantes do Conjunto de Flautas Doces da Uergs” e busca apresentar alguns dos resultados obtidos a respeito de aprendizagens sociais e musicais experienciadas por integrantes do grupo através da prática musical coletiva. Como questão de pesquisa, este trabalho buscou compreender de que modo as histórias de vida afetam e são afetadas pela experiência de fazer música juntos e, a tese principal desta pesquisa é de que a experiência de tocar juntos pode promover sentimentos que asseguram o desenvolvimento e a formação profissional dos músicos licenciandos ou recentemente licenciados. A pesquisa teve como linha metodológica a Pesquisa (Auto)biográfica e traz como referência autores como NÓVOA (1992; 2017); JOSSO (2012); e, no que diz respeito ao aprendizado social de fazer música em conjunto, traz SCHÜTZ (1951; 1979) como referência central. Nos resultados desta pesquisa foi possível compreender o significado singular-plural da experiência de tocar juntos. Esta tese mostrou de que modo as experiências em grupo promovem sentimentos, modificam impressões sobre si mesmos e asseguram o desenvolvimento e a formação profissional dos músicos licenciandos ou recentemente licenciados.

Referências

Referências

CHARMAZ, Kathy. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Tradução de Joice Elias Costa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Fundamentos epistemológicos da pesquisa: biográfica em educação. Educação em Revista, v. 27, n. 1, p. 333-346, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-46982011000100015

*FREIXEDAS, Claudia Maradei. Caminhos criativos no ensino da flauta doce. 2015. 151 f. Dissertação (Mestrado) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

*GANDE, Andrea; KRUSE-WEBER, Silke. Addressing new challenges for a community music project in the context music education: a conceptual framework. London Review of Education, London, v. 15, n. 3, nov. 2017. DOI: https://doi.org/10.18546/LRE.15.3.04 DOI: https://doi.org/10.18546/LRE.15.3.04

GOODSON, Ivor. A ascensão da narrativa de vida. In: MARTINS, R. et al (Org.). Pesquisa Narrativa: interfaces entre histórias de vida, arte e educação. Santa Maria: Editora da UFSM, 2017. p. 25-48.

IVO, Laís Figueiroa. A prática coletiva da flauta doce no contexto do ensino superior: uma investigação de três grupos musicais ligados a universidades. In: CONGRESSO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIA DE EDUCAÇÃO MUSICAL, 22., 2015, Natal. Anais […]. Natal: Abem, 2015.

JOSSO, Marie-Christine. Experiências de vida e formação. Tradução de José Cláudio e Júlia Ferreira. São Paulo: Cortez, 2004.

JOSSO, Marie-Christine. O Corpo Biográfico: corpo falado e corpo que fala. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 19-31, jan./abr. 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/21805/16028. Acesso em: 13 mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-623621805

MOLINA, Rosane Kreusburg; NETO, Vicente Molina. Pesquisar a escola com narrativas docentes e grupo de discussão. Educação PUCRS, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 402-413, set./dez. 2012. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8538. Acesso em: 18 set. 2017.

NÓVOA, Antonio. Os professores e as histórias de sua vida. In: NÓVOA, Antonio (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992. p. 11-30.

NÓVOA, Antonio. Firmar a posição como professor. Afirmar a profissão docente. Palestra CIDEC – FURG, do dia 22 de Agosto 2017. Texto cedido pelo autor. DOI: https://doi.org/10.1590/198053144843

PAOLIELLO, Noara de Oliveira. A Flauta Doce e sua dupla função como instrumento artístico e de iniciação musical. 2007. 48 f. Monografia (Licenciatura

Plena em Educação Artística – Habilitação em Música) – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

SCHÜTZ, Alfred. Faire de la musique ensemble. Une étude des rapports sociaux. Dans Sociétés. Cairn.info, Paris, n. 93, p. 15-28, 2006. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.3917/soc.093.0015

https://www.cairn.info/article.php?ID_ARTICLE=SOC_093_0015#. Acesso em: 11 nov. 2018.

SCHÜTZ, Alfred, Making music together-a study in social relationship. Social Research, p. 76-97, 1951. Disponível em: http://newschoolhistories.org/wp-content/uploads/2019/02/Schütz-Making-Music-Together-1951.pdf. Acesso em: 5 mar. 2018.

SCHÜTZ, Alfred. Textos escolhidos de Alfred Schutz. Tradução de University of Chicago. In: WAGNER, H. (Org.). Fenomenologia e Relações Sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

TORRES, Maria Cecília de Araújo Rodrigues. Identidades musicais de alunas de Pedagogia: Músicas, memórias e mídias. 2003. 176 f. Tese (Doutorado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

WENGER, E. Communities of practice: a brief introduction. 2015. Disponível em: https://wenger-trayner.com/wp-content/uploads/2015/04/07-Brief-introduction-to-communities-of-practice.pdf. Acesso em: 15 maio 2019.

WELLER, Wivian. Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teorico-metodológicos e análise de uma experiência com método. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 241-260, maio/ago. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-97022006000200003

ZABALZA, Miguel A. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Downloads

Publicado

03.06.2022

Como Citar

Anders Zamin, F. (2022). APRENDIZAGENS AO FAZER MÚSICA EM CONJUNTO. Revista Da FUNDARTE, 49(49). https://doi.org/10.19179/rdf.v49i49.1115

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)