EXPERIÊNCIAS EDUCATIVO-ARTÍSTICAS NA DOCÊNCIA: O QUE É POSSÍVEL PENSAR E PRODUZIR COM E A PARTIR DELAS?

Autores

  • Angelica Vier Munhoz Universidade do Vale do Taquari - Univates
  • Deborah Vier Fischer Escola Projeto - POA/RS
  • Margarita Santi Kremer Fundação Vera Chaves Barcellos

DOI:

https://doi.org/10.19179/rdf.v47i47.901

Palavras-chave:

Experiências educativo-artísticas, Fundação Vera Chaves Barcellos, Docência.

Resumo

O presente texto deriva da aproximação do Grupo de Pesquisa Currículo, Espaço, Movimento (CEM/CNPq) com a Fundação Vera Chaves Barcellos (FVCB), realizada por meio de observações de exposições, visitas mediadas, seminário e análise de materiais educativos. Trata-se de, por uma via, pensar nos encontros produzidos com e a partir das experiências educativo-artísticas e, por outra, de dar visibilidade às práticas realizadas pela instituição. Dos argumentos que delineiam o presente texto, toma-se a noção de encontro com os signos da arte, a partir de Gilles Deleuze (2003). Por fim, busca-se afirmar que o encontro com as experiências educativo-artísticas colabora para provocar desassossego no pensamento, possibilitando, quem sabe, uma docência mais inventiva

Biografia do Autor

Angelica Vier Munhoz, Universidade do Vale do Taquari - Univates

Mestrado (2003) e Doutorado (2009) em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com estágio doutoral (Capes) na Université Paris VIII - Vincennes Saint Denis - Departements de Arts, Philosophie et Esthétique; Pós-doutorado (Modalidade Estágio Pesquisador colaborador) pela USP/SP. Professora Titular da Universidade do Vale do Taquari - Univates , atuando no Centro de Ciências Humanas e Sociais e no Programa de Pós-graduação - Mestrado e Doutorado em Ensino. Líder do Grupo de pesquisa Currículo, Espaço, Movimento (CEM/Univates/CNPq) e integrante da Rede de Pesquisa Escrileituras da Diferença em Filosofia-educação (UFRGS/CNPq)

Deborah Vier Fischer, Escola Projeto - POA/RS

Possui graduação em Pedagogia, com habilitação em pré-escola pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1989) e especialização em Educação Psicomotora pela FAPA (2000). Foi professora concursada do município de Porto Alegre, de 2003 a 2008, atuando em escolas, em turmas de educação infantil, e na SMED (Secretaria Municipal de Educação). Atualmente é coordenadora pedagógica geral da Escola Projeto, em Porto Alegre. Mestre e doutora em Educação pela UFRGS.

Margarita Santi Kremer, Fundação Vera Chaves Barcellos

Arte-educadora e artista visual, bacharel em Artes Plásticas (Habilitação em Desenho, 1993), pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Em 1999 realizou estudos no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS. Coordenadora educativa da Fundação Vera Chaves Barcellos desde 2010. Participou da equipe de pesquisa da Profa. Dra. Iclea Cattani, no projeto "A arte como espaço de intertextualidade: releitura e repetições" (1992-1996). Atuou como coordenadora pedagógica da Fundação Bienal do Mercosul, foi membro do Conselho do Museu de Arte Contemporânea do RS, coordenou o Setor de Mostras e Exposições da CAP da Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre (2010-2011). Foi professora e pesquisadora em Artes no Centro de Artes e Educação da UFRGS e consultora de projetos culturais (2008-2010). Autou como coordenadora de ações educativas da exposição No Ar, 50 anos da Comunicação do Grupo RBS e foi coordenadora pedagógica das ações educativas do Projeto Êxodos do fotografo Sebastião Salgado em 2000.

Referências

AMARAL, Alberto. Entre imagem e escrita: o infinito e o estranhamento nas obras de Keyla Sobral. In: CHAVES, Sílvia Nogueira; BRITO, Maria dos Remédios de. (orgs.). Formação, ciência e arte: (Autobiografia, arte e ciência na docência). São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016, p. 283-303.

BORGES, Hélia. A língua do vivo: ressonâncias entre a arte e a clínica. In: COSTA, Luciano Bedin da; PACHECO, Eduardo Guedes. Partituras do silêncio: poéticas do movente. Porto Alegre: Sulina, 2017.

DELEUZE, Gilles. Proust e os signos. 2 ed. Trad. Antonio Carlos Piquet e Roberto Machado. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

DELEUZE, Gilles. Conversações (1972-1990). São Paulo: Ed. 34, 1992.

FARINA, Cynthia. Pedagogia das afecções: arte atual, corpo e sujeito. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 14, n. 1, p. 45-53, jan./jun. 2006.

FISCHER, Deborah Vier. Escola, artistas e docentes em movimento: encontros entre arte contemporânea e educação. Porto Alegre, RS: UFRGS, 2014. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. UFRGS, 2014. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/108011. Acesso em 5/08/2019.

FISCHER, Deborah Vier. Em defesa de um determinado modo de pensar os encontros entre arte e experiência. ArteVersa, julh. 2018. Disponível em: https://www.ufrgs.br/arteversa/?p=1518. Acesso em 25/08/2019.

FISCHER, Deborah Vier. Pensar com cenas de escola: a arte, o estranho, o mínimo. Porto Alegre, RS, UFRGS, 2019. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, UFRGS, 2019. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/197436. Acesso em 23/08/2019.

Fundação Vera Chaves Barcellos. Disponível em: www.fvcb.com. Acesso em: 25/08/2019.

JOVÉ MONCLÚS, Glòria. Maestras contemporâneas. Lleida, Espanha: Edicions de la Universitat de Lleida, 2017.

LOPONTE. Luciana Gruppelli. Artes visuais como plataforma para pensar e viver: outros espaços para a docência. In: CHAVES, Sílvia Nogueira; BRITO, Maria dos Remédios de. (orgs.). Formação, ciência e arte: (Autobiografia, arte e ciência na docência). São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016, p. 71-88.

MACHADO, Flores Yuri. Apropriações, variações e neopalimpsestos. Viamão: Fundação Vera Chaves Barcellos, 2018.

MUNHOZ, Angélica V.; COSTA, Cristiano Bedin da; GUEDES, Betina. Notas sobre uma residência pedagógica no Museu de Arte do Rio. Revista GEARTE, Porto Alegre, set./dez.2016, v. 3, n. 3, pp 367-381

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Trad. Maria Helena Rodrigues de Carvalho et al. Lisboa: Relógio d’água, 1998.

PELLEJERO, Eduardo. Modos de fazer / Modos de ver / Modos de pensar (Arte sem superstições). In: DIAS, Susana Oliveira; ANDRADE, Elenise Cristina Pires de; AMORIN, Antonio Carlos Rodrigues de (Orgs.). MultiTão: experimentações, limites, disjunções, artes e ciências... Feira de Santana: UEFS Editora, 2002. p. 57-70.

Downloads

Publicado

22.12.2021

Como Citar

Munhoz, A. V., Fischer, D. V., & Kremer, M. S. (2021). EXPERIÊNCIAS EDUCATIVO-ARTÍSTICAS NA DOCÊNCIA: O QUE É POSSÍVEL PENSAR E PRODUZIR COM E A PARTIR DELAS?. Revista Da FUNDARTE, 47(47). https://doi.org/10.19179/rdf.v47i47.901