RE-SIGNIFICANDO A PRÁTICA DOCENTE EM TEMPOS DE PANDEMIA: TRANSFORMANDO CASAS EM SALAS DE AULA DE DANÇA

Autores

  • Alessandra Fernandes Feltes Universidade Feevale
  • Denise Siqueira Pacheco
  • Julia Cofferri Herrmann
  • Aline da Silva Pinto Universidade Feevale

DOI:

https://doi.org/10.19179/2319-0868/887

Palavras-chave:

Relato de experiência, Dança, Pandemia.

Resumo

Este artigo tem por objetivo relatar a experiência vivida no período da pandemia do coronavírus em 2020 em uma escola de curso livre nomeada como Maria Bailarina - Centro de Dança do município de Novo Hamburgo/RS. É um estudo de caráter qualitativo com características descritivas que apresenta exposições da análise do trabalho desenvolvido pela equipe de professoras por meio do ensino remoto. Mesmo que a pandemia ainda esteja acontecendo, é possível que este momento aponte para novas perspectivas na prática da dança e nos processos de ensino-aprendizagem no que tange a postura resiliente dos professores e da capacidade criativa daqueles que não mediram esforços para levar a arte para dentro das casas de seus alunos em isolamento social.

Biografia do Autor

Alessandra Fernandes Feltes, Universidade Feevale

Doutoranda em Diversidade Cultural e Inclusão Social pela Universidade FEEVALE com bolsa CAPES. Graduada no curso de Licenciatura em Educação Física/ Universidade Feevale/RS; Mestre em Diversidade Cultural e Inclusão Social/ Universidade Feevale/RS. Pesquisadora da área de Corpo; Dança; Juventudes. Professora de dança contemporânea e sapateado americano na Maria Bailarina Centro de Dança de Novo Hamburgo, além de coreógrafa e bailarina.

Denise Siqueira Pacheco

Especialista em Ciências do Movimento Humano/Universidade Feevale/RS. Graduada no curso de Educação Física Plena/ Universidade Feevale/RS. Proprietária do Maria Bailarina Centro de Dança de Novo Hamburgo, professora de ballet clássico, dança contemporânea, sapateado americano e dança para a terceira idade, além de coreógrafa e bailarina.

Julia Cofferri Herrmann

Graduada no curso de Engenharia Civil na Universidade do Vale do Rio dos Sinos/RS e graduanda no curso de Pedagogia na Universidade do Vale do Rio dos Sinos/RS. Professora de baby ballet na Maria Bailarina Centro de Dança de Novo Hamburgo, além de coreógrafa e bailarina.

Aline da Silva Pinto, Universidade Feevale

Doutora em Diversidade Cultural e Inclusão Social / Universidade Feevale, Mestre em Educação/ Unilasalle-RS, Especialista em Educação Psicomotora/ FAPA-RS, Formação em Licenciatura Plena em Educação Física/ lPA-RS. Atualmente atua como docente do curso de Educação Física da Universidade Feevale e do Curso de Graduação em Dança: Licenciatura, da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Pesquisadora da área de Corpo e Envelhecimento. É coordenadora do projeto cultural Dançar da Universidade Feevale. Participa do Grupo de Pesquisa "Corpoéticas" da UERGS.

Referências

ANTUNES NETO, Joaquim M. F. SOBRE ENSINO, APRENDIZAGEM E A SOCIEDADE DA TECNOLOGIA: POR QUE SE REFLETIR EM TEMPO DE PANDEMIA? Revista Prospectus: Gestão e Tecnologia, Itapira, v. 2 n. 1, p. 28-38, Ago/Fev, 2020.

BARBOSA, Andre Machado; VIEGAS; Marco Antônio Serra; BATISTA, Regina Lucia Napolitano Felício Felix. AULAS PRESENCIAIS EM TEMPOS DE PANDEMIA: relatos de experiências de professores do nível superior sobre as aulas remotas. Revista Augustus, Rio de Janeiro, v. 25, n. 51, 2020. DOI: https://doi.org/10.15202/1981896.2020v25n51p255

DANTAS, Mônica Fagundes. Dança: o enigma do movimento. Curitiba: Appris, 2020.

MARQUES, Isabel. I see a kaleidoscope dancing: understanding, criticizing, and recreating the world around us. In: ROUHIAINEN, L. Ways of knowing in dance and art. Helsinki: Theatre Academy, 2007. p. 144-158.

MARQUES, Isabel. Linguagem da dança. Arte e ensino. 1. ed. São Paulo: Digitexto, 2010a.

MARQUES, Isabel. Algumas perguntas sobre dança e educação organização. In: TOMAZZONI, A.; MARINHO, C. W. N. (Org.). Dança e Educação. Joinville: Nova Letra, 2010b.

MOOJEN, Alexandra de Castilhos; PURPER, Raquel. Estudos coreográficos no ensino superior de dança. Revista de Ciências Humanas, Viçosa, v. 1, n. 14, p. 121-129, 2014.

NANNI, Dionísia. Ensino da Dança. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

NOGUEIRA, Ana Carolina Ribeiro. Experiência artística na formação docente em artes visuais: uma cartografia sobre os percursos formativos de estudantes em graduação. Revista da FUNDARTE. Montenegro, p.01-20, ano 20, nº 43, outubro/dezembro de 2020. Disponível em: http://.seer.fundarte.rs.gov.br/index.php/revistadafundarte/index> 20 de dezembro de 2020. DOI: https://doi.org/10.19179/2319-0868/735

OLIVEIRA, Victor Hugo Neves de; et al. “Cada um no seu quadrado”: Processos artísticos em tempos de isolamento domiciliar. Revista UFG, v. 20, n. 26, 2020. DOI: https://doi.org/10.5216/revufg.v20.66750

PACHECO, Denise. Como a dança aconteceu em 2020. Novo Hamburgo: Ed. da Autora, 2020.

SOARES, Andréa Cristiane Moraes Soares. Bailarinos anfíbios no campo da grande produção em dança: processos de hibridização na Companhia Municipal de Dança de Porto Alegre. 2018.Tese (Doutorado em Artes Cênicas) – Instituto de Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

TRINDADE, Ana Lígia; VALLE, Flavia Pilla do. A ESCRITA DA DANÇA: UM HISTÓRICO DA NOTAÇÃO DO MOVIMENTO. Movimento (ESEFID/UFRGS), Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 201-223, set. 2007. DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.3579

Downloads

Publicado

30.03.2021

Como Citar

Feltes, A. F., Pacheco, D. S., Herrmann, J. C., & Pinto, A. da S. (2021). RE-SIGNIFICANDO A PRÁTICA DOCENTE EM TEMPOS DE PANDEMIA: TRANSFORMANDO CASAS EM SALAS DE AULA DE DANÇA. Revista Da FUNDARTE, 44(44), 1–18. https://doi.org/10.19179/2319-0868/887