OS CAMINHOS DO ENSINO DE ARTE EM ALGUMAS ESCOLAS PÚBLICAS DO EXTREMO OESTE DE SANTA CATARINA

Autores

  • Noeli Moreira Mestre em Artes Visuais PPGAV/UDESC e Docente IFSC.

DOI:

https://doi.org/10.19179/2319-0868/680

Palavras-chave:

Identificação, Cotidiano Docente, Valorização

Resumo

O presente artigo traz alguns resultados sobre o universo do professor de Arte das escolas públicas de municípios do Extremo Oeste Catarinense. Esses dados foram coletados no segundo semestre de 2017 nos municípios de Barra Bonita, Bandeirante, Belmonte, Descanso, Guaraciaba, Paraíso e São Miguel do Oeste. O principal objetivo foi identificar as realidades profissionais dos professores de Arte do ensino fundamental, localizando-os na região, através das instituições de ensino e das redes sociais. A partir desse trabalho concluímos que, quando sabemos da realidade do nosso entorno, as ações para a valorização da atuação docente são significativas e contribuem para a melhoria nos processos educacionais da região.

Biografia do Autor

Noeli Moreira, Mestre em Artes Visuais PPGAV/UDESC e Docente IFSC.

Mestra em Artes Visuais, na linha de pesquisa do Ensino das Artes Visuais do programa de Pós-Graduação em Artes Visuais- PPGAV/UDESC, conclusão em 31 de julho de 2019. Possui graduação em Educação Artística Habilitação em Artes Plásticas pela Universidade do Oeste de Santa Catarina, Campus de São Miguel do Oeste (2003). Com as seguintes Especializações: Arte e Cultura: Linguagens na Educação pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões- URI (2007) e Arteterapia, Educação e Saúde pela Universidade do Oeste de Santa Catarina Campus de São Miguel do Oeste- UNOESC (2010). Já atuou na educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e ensino superior. Atualmente é docente do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do IFSC- Instituto Federal de Santa Catarina- Campus de São Miguel do Oeste, desde maio de 2011.

Referências

BARBOSA. Ana Mae T. B. Arte-educação no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2005.

BAUER. Martin W.; GASKELL. George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2013.

CAPRA. Carmen Lúcia; LOPONTE. Luciana Gruppelli. Ditos sobre professor-artista. Reunião Científica Regional da ANPED.UFPR, Curitiba, 2016.

CARVALHO. Maria Regina Viveiros de. Perfil do professor da educação básica. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo Técnico: Censo da Educação Básica 2018 [recurso eletrônico]. – Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2019. Acesso em 06/03/2019.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social, teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

OLIVEIRA, Vânia Fortes de. Magistério: profissão Feminina? In: OLIVEIRA. Valeska Fortes de. (org.), Imagens de professor: significações do trabalho docente. Ijuí: Unijuí, 2004.

VERDINELLI, Marilsa Maria. Formação continuada de professores do ensino fundamental subsidiada pela pedagogia histórico crítica e teoria histórico-cultural. Dissertação de Mestrado. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ, 2007.

http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/estudoprofessor.pdf, em 06/02/2018

https:portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2007/pces280_07.pdf em 07/02/2018.

http://portal.mec.gov.br/component/content/article/211-noticias, em 11 de março de 2019.

https:www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm, em 23/01/2018.

https://www.unar.edu.br/copia-administracao-ead, em 30/01/2018.

Downloads

Publicado

30.12.2020

Como Citar

Moreira, N. (2020). OS CAMINHOS DO ENSINO DE ARTE EM ALGUMAS ESCOLAS PÚBLICAS DO EXTREMO OESTE DE SANTA CATARINA. Revista Da FUNDARTE, 43(43), 1–21. https://doi.org/10.19179/2319-0868/680

Artigos Semelhantes

<< < 6 7 8 9 10 11 12 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.