AS PAISAGENS DE PINA BAUSCH

Autores

  • Marcelo de Andrade Pereira Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
  • Maurílio Betazzo Schuquel Universidade de Brasília - UNB
  • Ana Paula Parise Malavolta Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

DOI:

https://doi.org/10.19179/2319-0868.670

Palavras-chave:

Pina Bausch, espaço, paisagem.

Resumo

O presente artigo de caráter ensaístico tem por objetivo refletir sobre conceito de paisagem desde o trabalho da encenadora alemã Pina Bausch. Ao tomar a célebre artista como exemplo, o texto procura demonstrar a condição paradigmática que a sua produção exerce no âmbito da arte. Embora a paisagem resulte ou mesmo sintetize uma perspectiva, parte-se aqui do pressuposto que ela faz ver um todo. O marco teórico a partir do qual as noções de paisagem são aqui debatidas relaciona-se com o campo da antropologia, da geografia, das artes visuais e da filosofia.

Biografia do Autor

Marcelo de Andrade Pereira, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação - linha educação e artes, UFSM; Coordena o FLOEMA, núcleo de estudos em estética e educação, da UFSM; Pós-Doutor pela NYU; Doutor em Educação, UFRGS; Mestre em Filosofia, UFRGS; Mestre em Educação, UFRGS; Graduado em Filosofia, UNISINOS; Editor Associado da Revista Brasileira de Estudos da Presença. Bolsista de Produtividade em Pesquisa CNPQ, nível 2. Atua na área de Estética e História das Artes, com pesquisa sobre Pedagogias Performativas e Pina Bausch.

Maurílio Betazzo Schuquel, Universidade de Brasília - UNB

Graduado em Artes Cênicas, UFSM

Mestrando em Artes Cênicas, UNB

Membro do FLOEMA - Núcleo de estudos em estética e educação, UFSM

Ana Paula Parise Malavolta, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Graduada em Psicologia - URI

Mestre em Artes Visuais, UFSM

Doutoranda em Educação, UFSM

Membro do FLOEMA - Núcleo de estudos em estética e educação, UFSM

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim: notas sobre a política. Tradução de Davi Pessoa. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AGAMBEN, Giorgio. Signatura Rerum: sobre el método. Barcelona: Annagrama Editorial, 2010.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins, 2007.

CAVALCANTI, Agostinho; VIADANA, Adler Guilherme. Organização do espaço e análise da paisagem. Rio Claro: UNESP, 2007.

COLLOT, Michel. Poética e filosofia da paisagem. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2013.

HEIDEGGER, Martin. A origem da obra de arte. Tradução Irene Borges Duarte. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 2002.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural I. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

MAXIMIANO, Liza Abad. Considerações sobre o conceito de Paisagem. Editora UFPR: Curitiba, n. 8, p. 83-91, 2004.

PEREIRA, Marcelo de Andrade. Entre e o relato e a paródia: Pina Bausch e suas re-leituras na pesquisa acadêmica brasileira. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Vol.8, n.03, p.441-468, Jul/Set, 2018.

PEREIRA, Marcelo de Andrade. La spacialidad de los afectos en Pina Bausch. Telondefondo (Buenos Aires), n.16, p.205-216, 2012.

SANTOS, Milton. A natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo, SP. HUCITEC, 1996.

SEGAUD, Marion. Antropologia do espaço: habitar, fundar, distribuir, transformar. São Paulo: SESC São Paulo, 2016.

TAVARES, Renata. O sentido da verdade e da linguagem em Pina. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Vol.8, n.03, p.522-538, Jul/Set, 2018.

Downloads

Publicado

30/03/2019

Como Citar

de Andrade Pereira, M., Betazzo Schuquel, M., & Parise Malavolta, A. P. (2019). AS PAISAGENS DE PINA BAUSCH. Revista Da FUNDARTE, 37(37), p. 546–559. https://doi.org/10.19179/2319-0868.670