TRILHAS FORMATIVAS EM ARTES INTEGRADAS: UMA FORMAÇÃO-AÇÃO COM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Autores

  • Bruno Felix da Costa Almeida FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ARTES DE MONTENEGRO (FUNDARTE) | Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC).
  • Sandra Mara Rhoden FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ARTES DE MONTENEGRO (FUNDARTE

Palavras-chave:

Formação Continuada em Artes, Educação Básica, Pesquisa-ação.

Resumo

O texto apresenta alguns resultados da proposição de Formação Continuada em Artes Integradas, diante do desafio lançado aos acadêmicos da disciplina “Pesquisa e Educação Básica”, do Programa de Pós-Graduação em Educação – Doutorado, da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, orientada pelo seguinte questionamento: Como propor uma Formação Continuada com professores da Educação Básica? Nesse sentido, o objetivo consistiu em implementar e refletir sobre uma proposta de formação com professores, diferente de uma proposição destinada para professores. Para tanto, fez-se uso da pesquisa-ação (TRIP, 2005), enquanto método investigativo. Contudo, a proposta de formação-ação resultou na realização de quinze Trilhas e três Percursos Formativos, com um total de 30 horas de duração. Por fim, os professores foram instigados a escrevem “Cartas Pedagógicas”, relacionando as suas percepções sobre todas as Trilhas das quais participaram.

Biografia do Autor

Bruno Felix da Costa Almeida, FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ARTES DE MONTENEGRO (FUNDARTE) | Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC).

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), junto à Linha de Pesquisa Educação e Artes e ao Grupo de Pesquisa FAPEM – Formação, Ação e Pesquisa em Educação Musical. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) – Bolsista PROSUC/CAPES – Modalidade II, atuando junto à Linha de Pesquisa Aprendizagem, Tecnologias e Linguagem na Educação e ao Grupo de Pesquisa Estudos Poéticos: Educação e Linguagem. Mestre em Educação, Especialista em Educação Musical e Licenciado em Música, pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS). Especialista Ensino de Arte, pela Universidade Cidade de São Paulo (UNICID). Bacharel em Música – Habilitação em Piano, pela Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL). Formado em Piano, pela Escola Municipal de Música – Departamento do Theatro Municipal de São Paulo. Atualmente desenvolve pesquisas nos campos da Educação e da Educação Musical; é Professor Adjunto – Área de Música, da Fundação Municipal de Artes de Montenegro – FUNDARTE e membro do Grupo de Pesquisa da FUNDARTE.

Sandra Mara Rhoden, FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ARTES DE MONTENEGRO (FUNDARTE

Mestra em Educação pelo PPGEDU – Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Licenciada em Música, com ênfase em Piano, e em Artes Visuais pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – UERGS. Tem experiência na área das Artes, com ênfase em Educação Musical e Artes Visuais, atuando principalmente nos seguintes temas: musicalização infantil, educação infantil, iniciação às artes, pedagogia do piano e formação de professores. Desde 2013 é coordenadora do Polo FUNDARTE Arte na Escola. É professora de Música na Fundação Municipal de Artes de Montenegro – FUNDARTE e membro do Grupo de Pesquisa da FUNDARTE.

Referências

ALCOFORADO, Luís. Desenvolvimento profissional, profissionalidade e formação continuada de professores: possíveis contributos dos relatos autobiográficos profissionais. Educação. Santa Maria, v. 39, n. 1, jan./abr., 2014.

BAPTAGLIN, Leila Adriana; ROSSETTO, Gislaine Aparecida Rodrigues da Silva; BOLZAN, Doris Pires Vargas. Professores em formação continuada: narrativas da atividade docente de estudo e a da aprendizagem da docência. Educação. Santa Maria, v. 39, n. 1, maio/ago., 2014.

COSTA, Angela Freitas de Rezende; ROCHA. Viviane da. A formação docente e os desafios da prática reflexiva. Educação. Santa Maria, v. 38, n. 21, maio/ago., 2013.

LUPPI, Mônica Aparecida Rodrigues; BEHRENS, Marilda Aparecida; SÁ, Ricardo Antunes. A formação de professores e as contribuições do pensamento complexo. Educação. Santa Maria, v. 46, 2021.

MCKERNAN, James. Currículo e imaginação: teoria do processo, pedagogia e pesquisa-ação. Porto Alegre: Artmed, 2009.

MOLON, Susana. Constituição do sujeito na formação de professores: significação nas práticas cotidianas. Educação. Santa Maria, v. 41, n. 31, set./dez., 2016.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Ed. 23. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

MORIN, Edgar. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Ed. 2. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

PIMENTA, Selma Garrido. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, p. 521-539, set./dez., 2005.

PLANO DE ENSINO. Pesquisa e Educação Básica. UNISC, 2021.

ROGRIGUES, Polyana Marques Lima; LIMA, Williams dos Santos Rodrigues; VIANA, Maria Aparecida Pereira. A importância da formação continuada de professores da educação básica: a arte de ensinar e o fazer cotidiano. Saberes Docentes em Ação. V. 3, n. 1, set., 2017.

SILVA, Jenekésia Lins da; RÊGO, Ana Paula Monteiro; MERCADO, Luís Paulo Leopoldo. A pesquisa na formação do professor universitário: competências na produção e transmissão do conhecimento. Educação. Santa Maria, v. 46, 2021.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Ed. 17. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TRIP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez., 2005.

Downloads

Publicado

25/11/2021

Como Citar

Almeida, B. F. da C., & Rhoden, S. M. (2021). TRILHAS FORMATIVAS EM ARTES INTEGRADAS: UMA FORMAÇÃO-AÇÃO COM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seminário Nacional De Arte E Educação, 27(27), 988. Recuperado de https://seer.fundarte.rs.gov.br/index.php/Anaissem/article/view/988

Edição

Seção

27º Seminário Nacional de Arte e Educação - PESQUISA CONCLUÍDA