A Exclusão de Deficientes na Escola Regular

Iury de Mello Araújo, Carmem Lúcia Capra

Resumo


Resumo: Aborda a exclusão de pessoas com deficiência das instituições de ensino regular. Constitui um levantamento quanto à atual forma de referência aos mesmos, utilizando dados do levantamento realizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organizações das Nações Unidas (ONU). Os dados são articulados à descrição de momentos históricos bem como a observações vinculadas ao referencial teórico. Conclui que as pessoas com deficiência, embora tenham assegurados seus direitos à educação por meio de leis presentes na constituição brasileira, são excluídas da mesma. Demonstra-se que não bastar ser garantido na legislação o direito a educação de pessoas com deficiência para que a inclusão se efetue, são necessárias modificações importantes no ambiente escolar e nos sistemas de ensino, assim como na ideia que a sociedade ainda tem desses indivíduos.


Palavras-chave


Palavras-chave: pessoas com deficiência; exclusão; escola regular.

Texto completo:

Ler Artigo

Referências


BRASIL. Constituição de República Federativa do Brasil, de 05 de outubro de 1988. Vade Mecum Saraira. São Paulo: Saraiva, 2013.

______. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: Acesso em: 04 de jul. 2018.

______. Lei n. 7.853 de 24 de outubro de 1989. Disponível em: Acesso em 05 de jul. 2018.

______. Decreto nº 3.956, de 8 de outubro de 2001. Disponível em:

______. Decreto nº 6.571, de 18 de setembro de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm#art11.Acesso em: 07 jul.2018.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96. Disponível em: . Acesso em: 7 jul. 2018.

______. Lei 13.146/2015. Dispõe sobre Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). [s.n.], Brasília, 2015. Documento não paginado. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 23 jun. 2018.

PEREIRA, Marilú M, Inclusão Escolar: Um Desafio entre o Ideal e o Real, www.webartigo.com/authors/2009/ acesso em: 10 de maio de 2018.

COHEN, Regina. Estratégias para a Promoção dos Direitos das Pessoas Portadoras de Deficiência. Disponível em . Acesso em: 23 jun. 2018.

ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2018.

GOULART, Leandro Henrique Simões; MACIEL, Saint-Clair Guilherme Campos. Estado Democrático de Direito e o acesso à educação para pessoas portadoras de deficiência. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 19, n. 4149, 10 nov. 2014. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2018.

KASPER, Andrea de Aguiar; LOCH, Márcia do Valle Pereira; PEREIRA, Vera Lúcia Duarte do Valle. Alunos com deficiência matriculados em escolas públicas de nível fundamental: algumas considerações. Educ. rev., Curitiba, n. 31, p. 231-243, 2008. Disponível em . Acesso em 21 Set. 2018.

ONU. Organizações das Nações Unidas. Convenção sobre os direitos das pessoas portadoras de deficiência. Disponível em: Acesso em 23 de jun. 2018.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Como falar sobre as pessoas com deficiência. s/d Disponível em . Acesso em 20 set. 2018.

UNESCO.Declaração de Salamanca sobre Princípios. Política e Prática em Educação Especial. Brasília. 1994.

VIVARTA, Veet (Coordenação). Diversidade – Mídia e Deficiência. Editora: Banco do Brasil. Edição: 2003.

______. Quantas pessoas têm deficiência? Instituto Intereamericano del niño. 1998. Disponível em . Acesso em 20 set. 2018.

WERNECK, Claudia. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de Janeiro: ED. W.V.A, 1997. Disponível em:/https://pt.scribd.com/document/337007695/Ninguem-Mais-Vai-Ser-Bonzinho-Na-Sociedade-Inclusiva-Claudia-Werneck>.acesso em 02 de jul. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.