A MÁSCARA E A GATA: ARTE NA QUARENTENA DE UM PRÉ-ADOLESCENTE

Autores

  • Johannes Doll FACED/UFRGS
  • Cláudia Bechara Fröhlich FACED/UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.19179/2319-0868/878

Palavras-chave:

Adolescência, processo de subjetivação, produções artísticas

Resumo

O que a escola e as artes podem fazer nesta situação de distanciamento social e de ensino a distância? É desafiante para as e os professores e, muitas vezes, fica difícil ter uma noção dos efeitos na vida dos e das estudantes. O relato de produções artísticas de um menino de 11 anos, no 6º ano da escola, pode mostrar como elementos do ensino à distância podem provocar e inspirar o mundo imaginário de jovens. O relato mostra, também, que as condições familiares, bem como a compreensão e a estimulação de caminhadas próprias, são fatores importantes para uma produção artística que contribua para o processo de subjetivação.

Biografia do Autor

Johannes Doll, FACED/UFRGS

Teólogo, pedagogo, gerontólogo, Mestre em Educação (UFRGS), doutor em filosofia (Universidade de Koblenz-Landau, Alemanha), professor titular da Faculdade de Educação da UFRGS

Cláudia Bechara Fröhlich, FACED/UFRGS

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1997), mestrado (2009) e doutorado (2014) em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Realizou Pós Doutorado vinculado ao Pós-Graduação em Psicanálise: Clínica e Cultura na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2016). Professora do Departamento de Estudos Básicos da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

CORSO, Diana; CORSO, Mário. Adolescência em cartaz: filmes e psicanálise para entendê-la. Porto Alegre: Artmed, 2018.

CONY, Carlos Heitor. Quase memória: quase romance. São Paulo: Companhia das Letras: 1995.

EISERMANN, Gottfried. Maske und Rolle. Tübingen: Mohr, 1991.

FREUD, Sigmund. (1908 [1907]). Escritores criativos e devaneios. In: ______. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. IX. Rio de Janeiro: Imago, 1976. p. 147-158.

HUIZINGA, Johan. (1938). Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 2000.

LACAN, Jacques. (1959-1960). O seminário, livro 7: A ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

MARSILLAC, Ana Lúcia. Aberturas utópicas: arte, política e psicanálise. Curitiba: Appris, 2018.

PALACIO, Raquel J. Extraordinário. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2017.

RODULFO, Ricardo. O brincar e o significante: um estudo psicanalítico sobre a constituição precoce. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

RUISINGER, M.M. Die Pestarztmaske im Deutschen Medizinhistorischen Museum Ingolstadt. N.T.M., n. 28, 2020, p. 235-252. DOI: https://doi.org/10.1007/s00048-020-00255-7

SANTA ROZA, Eliza. Quando brincar é dizer: a experiência psicanalítica na infância. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.

Downloads

Publicado

30.03.2021

Como Citar

Doll, J., & Fröhlich, C. B. (2021). A MÁSCARA E A GATA: ARTE NA QUARENTENA DE UM PRÉ-ADOLESCENTE. Revista Da FUNDARTE, 44(44), 1–18. https://doi.org/10.19179/2319-0868/878