HIATOS DO HUMANO: PROCESSOS DE CRIAÇÃO EM DANÇA MOTIVADOS PELA PANDEMIA DA COVID-19

Autores

  • Diego Ebling do Nascimento Universidade Federal do Tocantins
  • Sílvia da Silva Lopes Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.19179/rdf.v47i47.937

Palavras-chave:

dança contemporânea, distanciamento social, videodança

Resumo

A pesquisa em dança foi motivada pelas reflexões e pelos sentidos que o afastamento social ocasionado pela pandemia da COVID-19 produziu em nossos corpos. A escolha metodológica tem como estratégia a pesquisa guiada-pela-prática e está fundamentada na pesquisa performativa e na abordagem fenomenológica. O processo artístico foi impulsionado pela interrogação “como a experiência da pandemia pode nos transformar?”. O texto está dividido em três partes: a primeira aborda o processo de concepção da obra, a segunda expõe o referencial teórico-metodológico e, por fim, a terceira parte descreve o processo de criação e compartilha três cenas do Hiatos do Humano.

Biografia do Autor

Diego Ebling do Nascimento, Universidade Federal do Tocantins

Diego Ebling do Nascimento é professor, extensionista e pesquisador na área da dança e da educação física da Universidade Federal do Tocantins. Graduado em Dança: Licenciatura pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS). Mestre e licenciado em Educação Física pela Universidade Federal de Pelotas. Especialista em Artes Híbridas e em Dança e Consciência Corporal. Atualmente é doutorando em Educação pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Sílvia da Silva Lopes, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul

Sílvia da Silva Lopes é professora do Curso de Graduação em Dança: Licenciatura da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Graduada em Educação Física pelo Centro Universitário Metodista (1991) e mestra em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2009). Membra do Grupo de Pesquisa CORPOÉTICA - Poéticas do Corpo da Uergs/CNPQ. É, também, representante da UERGS no SINPRO e no Conselho Municipal de Cultura-CMC de Montenegro.

Referências

BACHELARD, Gaston. Dialética da duração. Ática, 1994.

BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Sobre a fenomenologia. In: BICUDO, M.A.V.; ESPOSITO, V.H.C. (ORGS). Pesquisa qualitativa em educação: um enfoque fenomenológico. Piracicaba: Unimep, p. 15-22, 1994.

CAMARGO, Emerson. A Dança de Relações e Experimentação. Curitiba: Íthala, 2013.

CARVALHO FILHO, José Ernane Carneiro. O tempo em Bachelard: uma ruptura com o continuísmo bergsoniano. IDEAÇÃO, Feira de Santana, n. 25, v. 2, 2012.

CERBINO, Beatriz; MENDONÇA, Leandro. Audiovisual, videodança e dança: conceitos e devoramentos. Anais da ANPAP, 2011.

COHEN, Renato. Performance como linguagem: criação de um tempo-espaço de experimentação. São Paulo: 3.ed. Editora Perspectiva, 2013.

DE MEDEIROS, Euclides Antunes; CORMINEIRO, Olivia Macedo Miranda. Caminhos entre imaginação e método historiográfico na obra cem anos de solidão. Revista Brasileira do Caribe, São Luís, MA, Brasil, v. 19, n. 36, 2018.

FERNANDES, Ciane. A prática como pesquisa e a abordagem somático-performativa. Anais ABRACE, v. 15, n. 1, 2014.

FERREIRA, Larissa. Dança transmídia: compondo as fissuras do (in)visível. Revista VIS (UNB), v. 17, p. 67-78, 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 52ª ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

GARCIA, Ângela; HAAS, Aline Nogueira. Ritmo e dança. 2. ed. – Canoas: Editora da ULBRA, 2006.

GLUSBERG, Jorge. A arte da performance. Tradução Renato Cohen. São Paulo: 3.ed. Editora Perspectiva, 2013.

GUSTSACK, Felipe. Hip-Hop: educabilidades e traços culturais em movimento. 2003. 222 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação, Porto Alegre, 2003.

HASEMAN, B. Manifesto pela pesquisa performativa. In: CERASOLI JÚNIOR, U. e colaboradores (org.). Resumos do Seminário de Pesquisas em Andamento PPGAC/USP – São Paulo: PPGAC-ECA/USP, v.3, n.1, 2015.

HOLANDA, Neto; LIMA, Valesca. Cultural movements and political actions in during the Covid-19 pandemic (Movimentos e ações político-culturais do Brasil em tempos de pandemia da Covid-19). Interface: a Journal for and about Social Movements, Sharing stories of struggles: Mayday, 2020. Disponível em: http://mural.maynoothuniversity.ie/12876/1/Holanda-e-Lima.pdf Acessado em 18/07/2020.

MARQUES, Isabel A. Ensino de dança hoje: textos e contextos. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sobre a doença: o que é COVID-19. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca Acessado em: 23/10/2020.

MORAIS, Sergio Bruck de. Refletindo sobre processos criativos a partir da tradução de A linguagem da dança, de Mary Wigman. Tese (Doutorado em Artes da Cena) Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Artes, Campinas, 2019.

MORENO, Rosangela Carrilo; ALMEIDA, Ana Maria F. O engajamento político dos jovens no movimento hip-hop. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, p. 130-142, 2009.

PASSOS, Juliana Cunha. Rolf Gelewski e a improvisação na criação em dança: formas, espaço e tempo. Curitiba: Editora Prismas, 2015.

PEIRANO, Mariza. Rituais ontem e hoje. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

RICHTER, Sandra. Bachelard e a experiência poética como dimensão educativa da arte. Educação (UFSM), v. 31, n. 2, 2006.

SALLES, Cecilia. Redes da criação - a construção da obra de arte. Horizonte, 2016.

SANTOS, Bruna Bardini dos. Videodança na escola: reflexões sobre o corpo e a dança no contexto escolar. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. 2015.

SANTOS, Maíra Simões Claudino. Composição Instantânea: formação coreográfica do artista da dança e de seu corpo-realidade. Revista Brasileira de Estudos da Presença, v. 8, n. 1, p. 167-193, 2018.

VIANNA, Klauss. A dança. Summus Editorial, 2005.

Downloads

Publicado

22.12.2021

Como Citar

do Nascimento, D. E., & Lopes, S. da S. (2021). HIATOS DO HUMANO: PROCESSOS DE CRIAÇÃO EM DANÇA MOTIVADOS PELA PANDEMIA DA COVID-19. Revista Da FUNDARTE, 47(47). https://doi.org/10.19179/rdf.v47i47.937