LABORAR A DOCÊNCIA ENTRE ESPERA E PRESENÇA: UM ESTUDO DA EDUCAÇÃO COMO PERFORMANCE

Autores

  • Diego Winck Esteves Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Faculdade de Educação.
  • Máximo Daniel Lamela Adó Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Faculdade de Educação.

DOI:

https://doi.org/10.19179/2319-0868.818

Palavras-chave:

Docência, Aula, Improvisação

Resumo

Este texto propõe perspectivar a docência pela via da performance, tendo em vista que certa noção de espera pode condicionar possibilidades para improvisações numa aula. Trata-se de postular a docência como um fazer que lida com acontecimentos. Todavia, nossa existência se desdobra sobre uma cultura de sentidos, na qual é preciso constituir condições para produzir presenças, visto que os sentidos se impõem a todo o momento. Conjecturamos a espera como este artifício. Trata-se de um jogo onde a performance docente age no limiar entre educação e arte, uma vez que se aloca na interlocução entre o visível e o imprevisível, entre o factível e o improvável, laborando sobre o que passa numa aula, no instante imprevisível do presente.

Biografia do Autor

Diego Winck Esteves, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Faculdade de Educação.

Graduado em Educação Física, licenciatura plena, pela Universidade de Santa Cruz do Sul -UNISC; Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS; artista e professor de circo, dança e performance.

Máximo Daniel Lamela Adó, Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Faculdade de Educação.

Doutorado em Educação (PPGEDU/UFRGS), Mestrado em Literatura (Teoria literária) PPGL/UFSC), Graduação em Ciências Sociais (CFH/UFSC). Professor no Departamento de Ensino e Currículo e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.

Referências

BATAILLE, Georges. Sobre Nietzsche: vontade de chance. Tradução Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BARTHES, Roland. Au Séminaire. In. O Rumor da Língua. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

CAPRA, Fritjof. Sabedoria Incomum. Tradução Carlos Afonso Malferrari. São Paulo: Cultrix, 2009.

CARLSON, Marvin. Performance: uma introdução crítica. Minas Gerais: Editora UFMG, 210.

COUTINHO, Karyne. Por uma didádica da improvisação. Revista Em Aberto, Brasília, v.31, n.101, p.121-132, jan/abr. 2018.

DELEUZE, Gilles. Espinosa: Filosofia Prática. Tradução Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a Filosofia. Tradução Edmundo Fernandes Dias e Ruth Joffily Dias. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs, vol.5. Tradução de Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 1997.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2010.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. Tradução Jean Melville. São Paulo: Editora Martin Claret, 2005.

MACHADO, Roberto. Deleuze, a arte e filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

PESSOA, Fernando. Alberto Caeiro, Poesias Completas. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SPOLIN, Viola. Improvisação para o Teatro. Tradução Ingrid Dormien Koudela e Eduardo José de Almeida Amos. São Paulo: Perspectiva, 2015

Downloads

Publicado

30/09/2021

Como Citar

Esteves, D. W., & Adó, M. D. L. (2021). LABORAR A DOCÊNCIA ENTRE ESPERA E PRESENÇA: UM ESTUDO DA EDUCAÇÃO COMO PERFORMANCE. Revista Da FUNDARTE, 46(46), 1–18. https://doi.org/10.19179/2319-0868.818