ILHAS E TENTILHÕES: O CONVÍVIO SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE ACESSO E INCLUSÃO EM DANÇA

Autores

  • Andres Lucia Serio Bertoldi Universidade Estadual do Paraná - Unespar
  • Matheus Dos Anjos Margueritte Universidade Estadual do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.19179/2319-0868.702

Palavras-chave:

Dança, Ensino, Inclusão

Resumo

Este artigo apresenta a percepção de estudantes de dança com necessidades especiais e seus professores sobre aspectos do ensino e aprendizagem da dança no contexto do ensino não-formal de dança, especificamente em academia de dança. Foi realizado um estudo de caso de natureza qualitativa com uso de entrevista semiestruturada como instrumento de coleta de dados com 10 estudantes com deficiência neuromotora e transtornos globais de desenvolvimento e 2 professores desses estudantes. Os dados foram analisados e contextualizados a partir do conceito de Umwelt, proposto por Jacob Von Uexkull, em interface com a abordagem de Aprendizagem Inventiva proposta por Virgina Kastrup, aplicados à produção de conhecimento em arte/dança.  

 

Biografia do Autor

Andres Lucia Serio Bertoldi, Universidade Estadual do Paraná - Unespar

Professora do Curso de Bacarelado e Licenciatra em Dança e do Programa de Pós-Graduação - Mestrado Profissional em Artes PPGARTES - da Universidade Estadual do Paraná. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Dança - Linha Mediações Educacionais em Dança.

Matheus Dos Anjos Margueritte, Universidade Estadual do Paraná

Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Dança da Universidade Estadual do Paraná - Unespar, Bolsista do CNPq no Programa de Inciação Científica da Unespar.

Referências

ALMADA, Leonardo Ferreira; MESQUITA, Luiz Otávio de Sousa. Corpo, cérebro e ambiente: o organismo como alicerce da mente consciente. Kínesis, UFSM, Santa Maria, v. 9 n. 21, p.105-125, 2017.

BERTOLDI, Andrea Lúcia. Sério; SOUZA, Claudia Fantin de. Dança inclusiva e o efeito borboleta. Revista da Faced, UFBA, Salvador, v.1 n. 16, p.51-62, 2009.

BERTOLDI, Andrea Lúcia. Sério. Trans(ações) de corpos com deficiência em processos de criação em dança entre otras cositas más. Caderno de Ensaios TOM , UFPR, Curitiba: UFPR, v. 2, p.28-41, 2015.

BERTOLDI, Andrea Lúcia. Sério; KUNIFAS, Cinthia. Sobre guarda-chuvas em tempos de ventania: a educação/arte/terapia somática diante de uma epistemologia sistêmica do corpo que dança. Revista Científica, FAP, Curitiba, v.13 n. 13, p.111-117, 2015.

BERTOLDI, Andrea Lúcia. Sério; RIL, Aline Ferreira. Aproximações entre neurociências e processos de fruição e criação em dança na infância. In: VELLOZO, M.; STECZ, S. (org.) Criação, ensino e produção de conhecimento em artes: artes visuais, cinema, dança e teatro. Centro de Artes da Universidade Estadual do Paraná – Campus de Campo Mourão: Felcicam, 2016.

DAMASIO, António Rosa. E o cérebro criou o homem. Tradução: Laura Teixeira Mota, São Paulo: Companhia das Letras, 2011

__________. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. Tradução: Dora Vicente e Georgina Segurado, São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

DARWIN, Charles. On the origin of species by means of natural selection, or the preservation of favoured races in the struggle for life. London: John Murray, 1859

GREINER, Christine. Em busca de uma metodologia para analisar a alteridade na arte. Concept, UNICAMP, Campinas, v.6 n.2, p.10-21, 2017.

KASTRUP, Virgínia. Aprendizagem, arte e invenção. Psicologia em Estudo. Maringá. v.6, n.1, p. 17-27, jan/jul 2001.

____________. Políticas cognitivas na formação do professor e o problema do devir-mestre. Educação e Sociedade. v. 26, n. 93, p.1273-1288, 2005.

___________. A atenção na experiência estética: cognição, arte e produção de subjetividade. Trama Interdisciplnar. Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), v.3, n1, p.23-33, 2012.

MARINIS, Marco de. Corpo e corporalidade no teatro: da semiótica à neurociências: pequeno dicionário interdisciplinar. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 2, n. 1, p.42-61, 2012.

MARQUES, Isabel. O artista/docente: ou o que a arte pode aprender com a educação. Ouvirouver, UFMG, Uberlândia, p.230-239, 2014.

MATOS, Lúcia. Dança e diferença: cartografia de múltiplos corpos. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia- EDUFBA, 2012.

NOVAES, Regina. Hip Hop: o que há de novo?. In: BUARQUE,C et. al. (org.). Perspectivas de gênero: debates e questões para ONGs. GTGênero – Plataforma de Contrapartes Novib / SOS CORPO: Recife, 2002.

REIS, Marlene Barbosa de Freitas. Diversidade e inclusão: desafios emergentes na formação docente. Revelli, UEG, Inhumas, v.8 n.1, p. 1-18, 2016.

RIDLEY, Mark. Evolução. Porto Alegre, Editora Artmed: 2009.

SASSAKI, Romeo Kazumi. Inclusão: o paradigma do século 21. Revista de Educação Especial, Brasília, ano 1, n.1, p. 19-23, out. 2005.

SÉRIO Andréa; VIEIRA, C. e VIEIRA, S. Corpo em questão. Curitiba: Nó movimento em rede, 2017.

UEXKULL, Jacob von. A Stroll Though The Words Of Animals And Men: A Picture Book Of Invisible Words. Semiótica. v. 89, n. 4, p.319-391, 1992.

VIEIRA, Jorge Albuquerque. Teorias do Conhecimento e Arte: formas de conhecimento- arte e ciência uma visão a partir da complexidade. Fortaleza, Expressão Gráfica: 2006.

VOLP, Catia Mary. A dança de salão como um dos conteúdos de dança na escola. Motriz, Unesp, Rio Claro, v.16 n.1, p.215-220, 2010.

Downloads

Publicado

30/06/2020

Como Citar

Serio Bertoldi, A. L., & Margueritte, M. D. A. (2020). ILHAS E TENTILHÕES: O CONVÍVIO SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE ACESSO E INCLUSÃO EM DANÇA. Revista Da FUNDARTE, 41(41). https://doi.org/10.19179/2319-0868.702

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.