DE COMO MEU BANHEIRO VIROU MEU CAMARIM

Autores

  • Silvia Suzana Wolff Universidade Federal de Santa Maria https://orcid.org/0000-0003-0470-5270
  • Daniel Silva Aires UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL https://orcid.org/0000-0002-2819-7517
  • Julia Bragil Biazzi Universidade Federal de Santa Maria
  • Isadora Raminelli Schneider Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.19179/rdf.v48i48.1049

Palavras-chave:

Dança, Deficiência, Isolamento Social

Resumo

O presente texto apresenta o relato de experiência acerca do retorno à cena, ocorrido no ano de 2021 durante a período de confinamento social. Tal fenômeno se deu na ocasião da participação no espetáculo online, da portuguesa CIM Cia de Dança. Na composição da narrativa biográfica aqui exposta, utilizou-se como inspiração metodológica a escrita criativa, como exercício de composição de quatro pontos de vista em torno de um narrador em primeira pessoa. O relato aborda questões de dança e deficiência, educação somática, criação em dança e mediações tecnológicas.

Biografia do Autor

Silvia Suzana Wolff, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora em Artes - UNICAMP/2010, Bacharel em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda - PUCRS2000 e Mestre em Artes/Dança - NYU/2005. Professora adjunta do Curso de Bacharelado em Dança da Universidade Federal de Santa Maria desde 2013.

Daniel Silva Aires, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Artista-pesquisador de Danças e Visualidades Multimídia. Doutorando e Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAC-UFRGS); Especialista em Dança (UFRGS); Licenciado em Dança (UFRGS); Bacharel em Artes Visuais pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Julia Bragil Biazzi, Universidade Federal de Santa Maria

Licenciada e bacharela em Dança - UFSM/RS. Professora na ONG Royale Escola de Dança e Integração Social e na Associação Orquestrando Arte.

Isadora Raminelli Schneider, Universidade Federal de Santa Maria

Graduanda em Dança Bacharelado pela UFSM. Bolsista no grupo de pesquisa CORPOÉTICAS-Contribuições da dança para a Academia.

Referências

ALBRIGHT, Ann Cooper Choreographing Difference: The Body and Identity in Contemporary Dance. Hanover, NH: University Press of New England, 1997.

DA COSTA PEREIRA, Mariza; NÓBREGA-THERRIEN, Silvia Maria; FERREIRA, Tássia Fernandes. História e Memória: âncoras teóricas para a escrita biográfica. Ensino em Perspectivas, v. 2, n. 3, p. 1-12, 2021.

FORTIN, S. Educação Somática: novo ingrediente da formação prática em dança, Salvador, Cadernos do Cepe-Cit, n, 2, p.40-55, 1999.

MARQUES, Isabel A. Ensino de dança hoje: textos e contextos. 4 ed. São Paulo: Cortez Ed., 2007.

LEPECKI, A. O Movimento na Pausa. In: Contactos. 2020. Disponível em: < https://contactos.tome.press/movimento-na-pausa/?lang=pt-br> Acesso em: 18 fev. 2021.

MILLER, J.; LASZLO, C.M. Corpos em conexão, corpos em presença. Revista Manzuá de Pesquisa em Artes Cênicas, v. 3, n.2, p. 60 – 81. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/manzua/article/view/23207> Acesso em: 19 fev. 2021. DOI: https://doi.org/10.21680/2595-4024.2020v3n2ID23207

RODRIGUES, Flávio Luis Freire. A produção de texto na perspectiva da escrita criativa. Diálogo das Letras, v. 4, n. 1, p. 5-13, 2015. DOI: https://doi.org/10.22297/dl.v4i1.1358

TAVARES, Gonçalo M. Atlas do corpo e da imaginação: Teoria, fragmentos e imagens. Alfragide: Editorial Caminho, 2013.

TEIXEIRA, Carolina. Deficiência em cena. João Pessoa: Ideia, 2011.

WOLFF, Silvia Susana. Momento de transição: em busca de uma nova eu-dança. 110 f. Tese (doutorado em Artes). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2010.

WOLFF____________. Sobre as potencialidades de pertencer à cena com um gato malhado, uma andorinha sinhá e outros diversos. In: Carla Vendramin; Hetty Blades; Kate Marsh; Sarah Whatley. (Org.). Trocando, movendo, traduzindo: pensamentos sobre dança e deficiência. 1ed.Porto Alegre: UFRGS, 2019, v. 1, p. 182-199.

Downloads

Publicado

18.03.2022

Como Citar

Wolff, S. S., Aires, D. S., Bragil Biazzi, J., & Raminelli Schneider, I. (2022). DE COMO MEU BANHEIRO VIROU MEU CAMARIM. Revista Da FUNDARTE, 48(48). https://doi.org/10.19179/rdf.v48i48.1049